Desígnio

Que desígnio o da esfinge, guardiã de adágios prenunciados, de imutáveis cadências e repetitivas orquestrações solares. Que longínquo e vão fica o Nilo quando não banha o beijo que emendaria o rígido compasso da geometria solar e daria sentido às margens da eternidade. OF
Foto de: OF

 

Que desígnio
o da esfinge,
guardiã de adágios prenunciados,
de imutáveis cadências e repetitivas
orquestrações solares.
Que longínquo e vão fica o Nilo
quando não banha o beijo
que emendaria o rígido compasso
da geometria solar
e daria sentido às margens
da eternidade.

OF

Anúncios

Trompe-l’oeil

img_3617-copia-310x108

Foto de: OF

A pele é paisagem
esculpida pelo sopro,
firmamento lapidado
na ponta dos dedos,
poro a poro,
como quem dedilha o cravo
de Bach que moldará
o movimento do teu corpo
e a curvatura das palavras
na dança dos lábios.
Sabes que a evocação
nadificada da palavra
é apenas uma silente fenda
generativa da luz
inevitável.
A palpitação do sangue
é uma evidência,
não o podes ignorar
ou mascarar em escópica
insinuação de inutilidade.
Um trompe-l’oeil, dirás
numa afirmação cartesiana
que disfarce o desassossego.
Porém, na luz fadada
pelo quiasma,
é inquestionável
o beijo que os olhos
beijam.
OF

Veludo Onírico

12063619_995099303873496_3818393393024815809_n

Foto de: OF

Talvez não saibas
mas as horas durante a noite
tornaram-se dengosas, répteis
de pele áspera que usurpam
o veludo onírico
deixando um rasto monótono
a perder de vista,
de destino tão previsível
como o do traçado electrocardiográfico
de um amor sabotado.
Talvez não saibas
mas no canto do vidro duplo
a lua está pálida e desinteressada
da orquestração do silêncio
que rasga a velocidade arrastada
dos pássaros metálicos- ingénuos persistentes
na viagem para Norte, não acreditam
que o baniram da rosa dos ventos.
Talvez não saibas
mas na infinitude do repetitivo negrume
está pendurada uma estrela
ousada e crédula
-há até quem a diga insana-
que guarda a eternidade.
Talvez não saibas,
talvez nunca o tenhas notado,
mas no libreto destas horas entediantes
a aurora é sempre o verbo
estremecido pelo tracinho te.

OF

(incluído no próximo “No Murmúrio da Água”)